Deu-se início na noite de ontem, na Unp, o XI Seminário Novas Liberdades. Para este ano estão como palestrantes: Rafael Sbarai, com o tema redes sociais e liberdade de expressão; Anivaldo Padilha, com liberdade religiosa; Fernando Gabeira, com cidades sustentáveis; e, por fim, Gustavo Bernardes, direitos homoafetivos são direitos humanos. Todos estarão em dias diferenciados em suas explanações. Ontem foi Rafael Sbarai.


A abertura contou com algumas falas iniciais de representantes das universidades (Facene, Unp e Uern), do presidente da Câmara Municipal de Mossoró, Franciso José Junior, do secretário da Cidadania, Francisco Carlos Carvalho e, por fim, da prefeita Fafá Rosado. Todas as falas concentraram-se na importância deste seminário para a cidade de Mossoró, na qual é conhecida como a pioneira, no estado do RN, nos movimentos sociais da libertação dos seus escravos, do voto feminino etc.

O seminário contou com boa participação do público inscrito. Contudo, o ambiente não tava lá essas coisas, a pesar do luxo. Os alunos da instituição, quando no intervalo, exatamente na fala de Rafael Sbarai, conversavam muito e quase não dava para entender algumas passagens da sua fala.

A palestra foi no salão, uma espécie de local para eventos ou área de lazer, que dava acesso a passagem de alunos que entravam e saiam da sala de aula. No momento do intervalo o zum-zum ficou ainda mais intenso, confesso que perdi um pouco do discurso, mesmo que a Unp tenha colocado em pontos estratégicos caixas de som e tela com os slides projetados pelo palestrante.
No mais, a palestra foi muito boa, Rafael discursou sobre as redes sociais e destacou, entre muitos pontos importantes, que existem no Twitter 200 milhões de inscritos ativos, 66 milhões de usuários ativos no Orkut, 750 milhões cadastrados no Facebook etc. 
Relatou que há empresas que permitem o uso das redes sociais no trabalho e outras não aceitam. Destacou também que há estudos que confirmam o aumento de produtividade na empresa onde há permissão do uso das ferramentas no horário de trabalho. Falou também que o Google tem uma proposta de implantar uma grande rede social, com sub-redes particularmente propostas pelo próprio usuário.
Destacou os cuidados necessários com a utilização das informações postadas na internet e alertou dizendo: “o que você diz na internet passa a ser público e pode virar-se contra você em algum momento da sua vida”. Em se falando de ética, ou moral, asseverou que muitos usam as redes sociais e fazem uso indevido das ferramentas e outros mascaram a si mesmo. Por fim, afirmou que a internet nos deixa mais preguiçosos.
O ciclo de palestras segue até a sexta-feira, dia 23, com encerramento no Teatro Municipal Dix-Huit Rosado com apresentação do espetáculo Auto da Liberdade.